Avaliação das pressões respiratórias máximas, mobilidade toracoabdominal, pico de fluxo expiratório e ativação do músculo transverso abdominal de voluntárias submetidas à ginástica abdominal hipopressiva.

  • Bianca Pegozzi de Nadai Faculdade de Americana
  • Jessica Caroline Zanetti Faculdade de Americana
  • Karine Gonçalves Reis Faculdade de Americana

Resumo

Introdução: A Ginastica Abdominal Hipopressiva (GAH) é descrita na literatura como um conjunto de posturas associadas a movimentos respiratórios que provocam a redução da pressão intra-abdominal e a ativação sinérgica e aumento do tônus dos músculos abdominais e do assoalho pélvico. Por se tratar de uma técnica postural e respiratória, houve o interesse em avaliar as possíveis repercussões do método sobre o sistema respiratório. Objetivo: Avaliar os efeitos da GAH sobre as pressões respiratórias máximas, mobilidade toracoabdominal, pico de fluxo expiratório e ativação do músculo transverso abdominal em voluntárias saudáveis e sedentárias. Material e Métodos: Foram estudadas 5 voluntárias, com idade entre 22 e 24 anos, submetidas à oito sessões de GAH. As voluntárias foram avaliadas antes e após a intervenção, sendo mensuradas as pressões respiratórias máximas; através da manovacuometria, a mobilidade toracoabdominal; por meio da cirtometria, mensuração do pico de fluxo expiratório; através do medidor de pico de fluxo expiratório e avaliação da ativação do músculo transverso abdominal; através da mensuração por esfigmomanômetro. Resultados: Observou-se aumento significativo das pressões respiratórias máximas, mobilidade toracoabdominal e medida de pico de fluxo expiratório após a intervenção. Porém, não houve diferença significativa entre os valores de ativação do músculo transverso abdominal antes e após a aplicação da GAH. Conclusão: A GAH se demonstrou eficaz para o aumento das pressões respiratórias máximas, mobilidade toracoabdominal e medida de pico de fluxo expiratório nas voluntárias estudadas. Entretanto, não foi observado aumento da ativação do músculo transverso abdominal a partir da aplicação deste método, como descrito na literatura. Sugere-se que novos estudos sejam realizados, com uma amostra maior e que o método avaliativo para a mensuração da ativação do músculo transverso abdominal seja mais acurado que o utilizado neste estudo, fator que se mostrou limitante para a avaliação desta variável.

Publicado
2019-07-27