AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

  • Wagner Feitosa Avelino Faculdade de Americana e Secretaria Estadual de Educação do estado de São Paulo

Resumo

Ao longo da história educacional, a avaliação sempre foi compreendida como classificatória, punitiva e perversa na concepção de alguns professores, mas principalmente na visão dos alunos. Assim, a avaliação ganha sentido de desenvolvimento e aprendizagem no discurso do aplicador e um víeis contrário de quem é avaliado. Esse artigo objetiva analisar e articular as relações existentes entre as avaliações em âmbito escolar, conduzindo na formação de pedagogos e demais profissionais de educação para uma reflexão que atenta à realidade de cada unidade escolar a partir do quesito das políticas públicas e práticas docentes. Como método, recorreu-se à revisão literária e nos sistemas nacionais de avaliação na Educação Básica em âmbito escolar. Os resultados mostraram que, diante de tal conjectura, os métodos avaliativos permanecem tradicionalmente classificatório, mesmo após um viés contrário da literatura, a qual sugere mudanças de atitudes nos métodos de aplicação das avaliações internas e externas. Percebeu-se que professores das escolas da Educação Básica, ainda encontram dificuldades para entender qual o real sentido do processo avaliativo em determinadas faixa etária. Conclui-se que estudos e pesquisas etnográficas no cotidiano escolar, remetem às práticas que ocorrem em âmbito escolar e podem auxiliar pedagogos em sua formação antes mesmo que assumam tais responsabilidades como regentes de sala.

Biografia do Autor

Wagner Feitosa Avelino, Faculdade de Americana e Secretaria Estadual de Educação do estado de São Paulo
Mestre em Educação pela Unesp de Rio Claro, bolsista do Programa Mestrado & Doutorado da Secretaria Estadual de Educação do estado de São Paulo. Especialização em História pela Unicamp. Especialização em Gestão Escolar pela Faculdade Net Work. Especialização em História do Brasil pelas Faculdades Integradas Simonsem. Graduação em História pela FEUC. Graduação em Pedagogia pela Faculdade da Aldeia de Carapicuiba. Especialização Institucional e Clinica em Neuropscicopedagogia pela FAEESP em andamento. Bacharel em Psicologia pela Faculdade Anhanguera em andamento. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Politicas, Gestão, Sociologia Cultural e Sujeito Contemporâneo, atuando principalmente nos seguintes temas: história da educação, iconografia, cotidiano, cotidiano escolar e periódicos. Possui experiência como Coordenador Pedagógico na Educação Básica e Diretor Escolar. Atualmente é Professor efetivo de História e Projeto de Vida no Programa de Ensino Integral pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. No Ensino Superior é Professor III da Faculdade de Americana no Curso de Pedagogia, ministrando as Disciplinas de Fundamentos Teóricos e Metodológicos de História e Geografia; Educação de Jovens e Adultos, Avaliação na Educação Básica e membro do NDE (Núcleo Docente Estruturante).

Referências

ALVES, N. Decifrando o pergaminho – os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: ALVES, Nilda; OLIVEIRA, Inês Barbosa de (orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas sobre redes de saberes. 3ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo de. A Pesquisa no cotidiano escolar. In: FAZENDA, Ivani (Org.). Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez, 1989.

AVELINO, Wagner Feitosa. O cotidiano escolar na Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos (1984-2014). 2015. 172 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. PDE: Plano de Desenvolvimento da Educação: Prova Brasil: ensino fundamental: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília: MEC, SEB; Inep, 2008.

BRASIL. (Inep). Avaliação nacional da alfabetização (ANA): documento básico. – Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2013.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf >. Acesso em: 05/Fev/2019.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Portaria nº 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Brasília, 2013.

FIGUEIREDO, C.; Leite, C.; Fernandes, P. Analysing curriculum development through schools’ external evaluation — the guidelines in Portugal and England. European Journal of Curriculum Studies, Braga: European Association of Curriculum Studies (Euro-ACS)/ Portuguese Association of Curriculum Studies, v. 2, n. 1, p. 220-232. 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIL, A. C.. Didática do ensino superior. São Paulo: Atlas, 2006.

HAYDT, Regina Cazaux. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. São Paulo: Ática, 2008.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma prática da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 2009.

HOFFMANN, Jussara. O jogo do contrário em avaliação. Porto Alegre: Mediação, 2005.

LEITE, C.; Morgado, J.; Seabra, F. External school evaluation in Portugal: a glance at the impacts on curricular and pedagogical practices. European Journal of Curriculum Studies, Braga: European Association of Curriculum Studies (Euro-ACS)/Portuguese Association of Curriculum Studies, v. 1, n. 1, p. 33-43, 2014.

LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da aprendizagem escolar. 13º ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que avaliar? Como avaliar? Critérios e instrumentos. 7. ed. Vozes. Petrópolis 2001.

SORDI, M. R. L. de; LUDKE, M. Da avaliação da aprendizagem à avaliação institucional: Aprendizagens necessárias. Avaliação, Campinas: Sorocaba, SP, v.14, n. 2, p. 267-290, jul, 2009.

WERLE, F. O. C. (Org.). Avaliação em larga escala, foco na escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília: Liber Livro, 2010.

Publicado
2019-06-23