Fotoferese extracorpórea como tratamento auxiliar para transplantados renais

  • Patricia Ucelli Simioni Faculdade de Americana- FAM
  • Alessandra Oliveira Ribeiro Faculdade de Americana (FAM)
  • Juliana Ravagnani Coradel Faculdade de Americana (FAM)
  • Luis Gustavo R. Fernandes Faculdade de Americana (FAM)

Resumo

A fotoferese extracorpórea é um procedimento que busca a redução da resposta imune produzida pelo receptor de um transplante. Esse tratamento inclui o uso da radiação ultravioleta (UVA) e o 8-metoxipsoraleno (8-MOP), tratamentos que tem a função de alterar o DNA dos linfócitos T. O procedimento de fotoferese se baseia na separação dos componentes sanguíneos para deleção dos linfócitos circulantes. Após esse procedimento, o sangue é novamente reinfundido no paciente. Por terem sofrido essas modificações esses linfócitos são eliminados, evitando a resposta imune direcionada ao enxerto. Esse tratamento é indicado para pessoas com doenças autoimunes ou que fizeram transplantes de órgãos e que, por algum motivo, já não respondem mais com eficiência aos imunossupressores e outros tratamentos como a aférese convencional. Esse pode ser considerado um tratamento novo com reduzidas reações de desconforto aos pacientes. Muitos pacientes são favorecidos pelo uso desse procedimento em transplantes, o que pode ser de grande interesse para preservação do órgão transplantado.

Biografia do Autor

Patricia Ucelli Simioni, Faculdade de Americana- FAM
Docente IV do curso de Biomedicina e Farmácia da FAM. Graduada e licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP (1991-1994), mestre em Biologia (Imunologia) (1995-1998), doutora em Genética e Biologia Molecular (Imunologia) (200-2004) e pós-doutora em Imunologia com bolsa FAPESP (2006-2008) pela UNICAMP . Fui docente da Faculdade Integração de Tietê, Tietê, SP (2006- 2010). Fui docente de pós-graduação no curso de Genética e Biologia Molecular da UNICAMP (2010-2011). Fui bolsista SET CNPq (2010), pesquisadora e supervisora (2010-2012) da área de Biotecnologia na empresa Nanocore Biotecnologia S.A. Atualmente, atuo como docente na Faculdade de Americana -FAM, no curso de Biomedicina e Farmácia (2012 até o presente) e pesquisadora colaboradora do Departamento de Genética, Evolução e Bioagentes do Instituto de Biologia da UNICAMP (2012 até o presente). Dedico-me à Imunologia Básica e Aplicada, com ênfase nos seguintes temas: cultura de células, tolerância, doenças autoimunes, envelhecimento e células dendríticas, proteínas recombinantes, anticorpos monoclonais e teste de tratamentos antitumorais.
Publicado
2019-07-27